Marylin Monroe: a solidão indevassável do ser humano

monroe

 

Marilyn Monroe sempre foi ridicularizada, desdenhada, em vida.

Diziam que o dramaturgo Arthur Miller não estava girando bem da cuca, que tinha descido muito quando decidiu-se casar com ela.

A atriz foi aluna de Lee Strasberg no Actor’s Studio, a lendária escola de arte dramática de Nova York. Segundo consta, tinha “um certo feeling instintivo” para o diálogo.

Provo: em Quanto mais quente melhor (1959), que é considerada por uma turba como a maior comédia do cinema em toda a sua história, há uma Monroe hilária no papel de Sugar Kane: uma cantora tão vulnerável quanto beberrona, e que está para além da força sexual que emana: é inteiramente ela mesma, inteiramente arte cômica.

E como epígrafe de sua biografia a solidão indevassável do ser humano.

Há mais livros sobre Marilyn do que os sobre a Segunda Guerra.

Há semelhanças: ambas vidas foram um inferno, mas valeram a pena.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s