Marylin Monroe: a solidão indevassável do ser humano

monroe

 

Marilyn Monroe sempre foi ridicularizada, desdenhada, em vida.

Diziam que o dramaturgo Arthur Miller não estava girando bem da cuca, que tinha descido muito quando decidiu-se casar com ela.

A atriz foi aluna de Lee Strasberg no Actor’s Studio, a lendária escola de arte dramática de Nova York. Segundo consta, tinha “um certo feeling instintivo” para o diálogo.

Provo: em Quanto mais quente melhor (1959), que é considerada por uma turba como a maior comédia do cinema em toda a sua história, há uma Monroe hilária no papel de Sugar Kane: uma cantora tão vulnerável quanto beberrona, e que está para além da força sexual que emana: é inteiramente ela mesma, inteiramente arte cômica.

E como epígrafe de sua biografia a solidão indevassável do ser humano.

Há mais livros sobre Marilyn do que os sobre a Segunda Guerra.

Há semelhanças: ambas vidas foram um inferno, mas valeram a pena.

Anúncios
Padrão

Pedro Almodóvar, artista de altos e baixos

almo

 

Apesar da recente filmografia irregular (Julieta, 2016), do excesso kitsch, da verborragia hispânica e do palavratório às vezes cansativo,  Pedro Almodóvar ainda é um mestre da narrativa fílmica.

Volver (2006) é um bom exemplo: o filme tem como mote o doloroso processo do regresso.

São os “fantasmas críveis” que vez ou outra, batalham pra voltar a existir.

É no registro do cotidiano da Raimunda de Penélope Cruz que um passado cheio de nuances sombrias insiste em voltar.

Seja na urgência das portas que batem às altas horas, no regresso ao lago da infância, na reprise do antigo filme italiano na TV.

Ano após ano, obra após obra, Almodóvar – este espanhol de Ciudade Real da região de Castilla-La Mancha – vem se firmando como um cineasta inevitável.

Cineasta esse educado por salesianos, amigo de Caetano Veloso, com uma queda pelo cafona, pelo melodrama doidivana, pela degradação da gente comum, pelas cores berrantes, pelo Technicolor.

Em A pele que habito (2011) é impossível imaginar, no início, em como a narrativa do filme vai se estender, aos meandros que perpassa e até onde chega.

Um dos grandes baratos é ir descobrindo aos poucos, juntamente com a história, suas infinitas sinuosidades, caminhos e suas digressões.

Ainda que qualquer adjetivo sobre sua obra, para o bem ou para o mal, seja diminuir o que se vê em tela com mera banalidade das palavras.

 

 

Padrão