Faroeste, cordel e cinema brasileiro

Glauber

 

O gênio de Glauber Rocha era uma assinatura.

Mas que vez ou outra surgia sozinha, em filmes indecifráveis como O leão de sete cabeças (realizado no Zaire em 71), artigos apocalípticos e sem sentido, mas calma, com paciência, se encontrava uma frase ou um movimento de câmera que o redimia do caos. Seu Dragão da maldade contra o santo guerreiro (1969) é um bom exemplo.

Na pequena Milagres na Bahia, junta-se a uma marcha de desvalidos, um bando de cangaceiros devotos de Iansã e São Jorge, que cantam e dançam tal como num transe a sua própria miséria. Imunes à violência circundante, a massa proclama como numa romaria, uma indiscernível mescla entre delírio folclórico e uma religiosidade convulsiva.

Antônio das Mortes (Maurício do Valle), pistoleiro profissional a serviço de um coronel algo devasso – e cego – (Jofre Soares, representando aqui o Dragão da Maldade), é o exemplo nacional mais próximo da linha não dos westerns norte-americanos da estirpe de Budd Boetticher ou John Ford, mas sim da mesma linhagem da variante italiana, o subgênero fílmico Western Spaghetti, que se inscreve como um pastiche confesso do modelo tradicional.

Em Django – O Bastardo (1969) de Sergio Garrone por exemplo, não se vê a face do personagem, esta quase sempre envolvida por uma  penumbra algo fantasmagórica. Em uma sequência em particular, a simples sombra da capa de Django “devora” um dos malfeitores. Temos afinal, a figura do anti-herói, uma espécie de ente sobrenatural, um carrasco sem escrúpulos ou a própria encarnação da morte, que emerge do limbo para a desforra. Antônio das Mortes possui os mesmos  ecos de Django pela sua aparência taciturna, equivalente à do pistoleiro sinistro, e quase sempre excitante personagem visto em tantos faroestes europeus.

O mérito de Glauber é percebido na trama de diversos elementos que, além de comporem a dita identidade nacional, falam da literatura de cordel; Guimarães Rosa a torto e a direito; da religiosidade oriunda da África ancestral; da questão agrária e latifundiária do cangaço a partir de meados da década de 20; faroeste e, pasmem, ópera.

Não há diretor de cinema no Brasil que não seja devedor de Glauber Rocha.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s